Fechar [X]

Só + 1 Pouco - Otavio Neto

Otavio Neto, bs grind one foot  False

Por Charles Franco

Curtir

22/09/2009

O skatista profissional Otavio Neto é daqueles que não optam por andar ou seguir um único estilo em cima do skate. Entrevistado da CemporcentoSKATE # 08 - ANO 14, Otavio mostrou toda sua versatilidade, comprovada no vídeo "Só + 1 Pouco", e nos conta como foi desenvolver todo o projeto. Confira.

Como foi produzir a matéria?
R: Fiz um trabalho em parceria com o fotógrafo Renato Custódio. Estávamos planejando algo desde 2007, quando fiz a tour pela Europa. Fazemos uma boa dupla, pois os dois são skatistas e fotógrafos, e sabemos exatamente o que é preciso ser feito para alcançar um bom resultado.
Também fizemos uma viagem para Buenos Aires a convite do skatista argentino Jorge Ladas para conhecer as piscinas argentinas.

E como foi desbravar na Argentina, piscinas tão incríveis como as famosas californianas?
R: Realmente foi incrível, pois não sabia que encontraria na Argentina piscinas tão legais como as que conheci na Califórnia. Ao chegar lá, tive exatamente a mesma sensação que tive quando fiz minha primeira sessão em uma piscina nos EUA. Andamos em uma com formato square, bem parecida com a Classe-D. Descobrimos uma importante cultura de piscinas na Argentina, confesso que fiquei surpreso com a qualidade que encontrei por lá. Inclusive fiz algumas imagens para um especial de 5 programas para a ESPN sobre essa descoberta e fotos para uma matéria que será veiculada na revista CemporcentoSKATE.

Qual foi a maior dificuldade em realizar a matéria?
R: Com certeza foi dar o start para fazer a coisa acontecer, alinhar compromissos, agenda e conciliar projetos da TV com a entrevista. Nos últimos três meses aconteceu de tudo. Fui para a Europa, consegui correr campeonatos e alcançar bons resultados (me desliguei do Brasil enquanto estava fora), minha esposa viajou, voltei para o Brasil, peguei o Custódio, fomos para o Rio de Janeiro, Argentina e no fim tudo acabou dando certo.

Em sua entrevista, você afirma que o Vertical é muito focado em competições e que apenas meia dúzia de skatistas como Bob, Danny Way, Jake Brown entre outros, conseguem levar uma carreira sem ter a competição como foco principal. Você está procurando seguir esse mesmo caminho? 
R: Não acredito que exista um caminho. Fiquei muito feliz ao ficar em 5º lugar no mundial de 2005, mas exatamente naquele instante percebi que o Skate era algo muito maior. Competir exige muita dedicação pessoal, faz você conhecer muitos lugares, mas de maneira superficial, pois é uma rotina de aeroporto, hotel, campeonato, hotel, não muda. Resumindo, campeonato não traz a felicidade que procuro no skate. Nunca fiz planos para seguir esse ou aquele caminho, hoje busco fazer projetos mais completos, desenvolver ações que me tragam satisfação. Continuo indo aos campeonatos, gosto de andar com amigos, mas não é isso que me deixa feliz.

Também na entrevista, ao ser questionado sobre o seu vídeo, você diz estar com um “ouro nas mãos”. O que devemos esperar dessa produção?
R: Eu disse ouro por ser um produto meu, que está na minha mão. Estou filmando o vídeo há quase três anos e mostra muito bem como eu sou, é meu skate, de verdade, sem boatos, é um apanhado de como ando de skate. Foi feito para quem anda e gosta de skate.

Na sua entrevista você também afirma “não ser verticaleiro”. Por quê diz isso?
R: Isso aconteceu quando saí da marca de tênis que me patrocinava e fui procurar patrocínio de tênis. Ao chegar na reunião e dizer o que estava pretendendo, ouvi que eles não estavam procurando por um verticaleiro. Na mesma hora disse que não sou verticaleiro e sim skatista! Até hoje continuo sem patrocínio de tênis.

Recentemente, uma das mais tradicionais pistas do Rio de Janeiro, o bowl do Arpoador, passou por uma revitalização e você esteve andando por lá. O que acha da iniciativa?
R: Achei a iniciativa muito boa, fui andar e encontrei muita gente feliz com a reforma. Recuperaram a pista sem mexer na estrutura, o que acho mais legal, pois manteve as características do bowl.

Agradecimentos: a todos os vídeomakers que me ajudaram. Anderson Tuca, Waguinho, Diogo Gema, Felipe Vital, Carlinhos Zodi, Masterson Magrão, Aguinaldo Melo, Lima de Curitiba. Aos meus patrocinadores:  Quiksilver, Oakley, TNT energy drink, Central Surf, Posso!, Crail e Icepex.

Notícias relacionadas
Mais notícias

Para acessar com a sua conta do Facebook, é necessário que você esteja cadastrado no site.

Já sou Cadastrado! Cadastre-se

Para acessar com a sua conta do Twitter, é necessário que você esteja cadastrado no site.

Já sou Cadastrado! Cadastre-se